Gurupi tem mais um vocacionado ao caminho sacerdotal

No domingo passado, 03, na Paróquia Santo Antônio, o Monsenhor Jones Pedreira apresentou à comunidade o jovem de 24 anos, Jorge Henrique Leite, como vocacionado ao sacerdócio. Após dois e meio de dúvidas, Jorge decidiu dar o seu “sim” a Deus e a Igreja e deve ingressar no seminário em agosto deste ano.


Numa entrevista ao Interação Católica, o vocacionado fala sobre a sua decisão e seus objetivos:


Interação Católica - Para você, qual a maior dificuldade para um jovem ingressar nesse caminho?


Jorge – É uma questão muito pessoal, para alguns a maior dificuldade é o celibato, pela questão de constituir uma família. Para mim a maior dificuldade é o exercício da profissão jurídica. Eu tenho um escritório montado, ainda não tirei OAB, mas sou sócio do escritório e não é fácil desestruturar isso e colocar-se num caminho que não se sabe como vai ser o exercício.


IC - Como é para um jovem recém formado num curso superior e que está iniciando sua carreira profissional, abandonar tudo para seguir o sacerdócio?


Jorge - Quem se coloca nos caminhos de Deus tem que estar aberto aquilo que Ele tem encaminhado. A felicidade só é possível a partir do momento que se segue esse direcionamento. Eu sempre digo que uma escolha só é madura quando a agente sabe o que está deixando. Pela fé eu acredito que este é o caminho que Deus traçou na minha vida.


IC - No caminho sacerdotal você vai continuar utilizando os seus conhecimentos jurídicos?


Jorge - Com certeza sim. João Paulo II já dizia que as duas asas que levam o homem a vôos altos são a fé e a razão. Se eu esquecesse a fé seria ateu, se esquecesse a ciência (razão) seria fanático. O direito é o exercício da razão, é o que dá o equilíbrio na minha vida. Então, eu aproveitarei meus conhecimentos de uma maneira mais nobre, de acordo com as necessidades da comunidade em que vou estar inserido após a minha ordenação.


IC – Algumas pessoas consideram o sacerdócio como um desperdício para quem já tem curso superior. O que você pensa a respeito disso?


Jorge - Eu já consumi a minha vida nos estudos, no trabalho e em tantas coisas que eu não tinha certeza se valeria a pena. Esse “sim” ao sacerdócio é uma escolha de consumir a minha vida em algo que realmente vale a pena. Uma escolha de derramar a minha alma na presença de Deus, na certeza de que não estarei desperdiçando nada, pois Ele é o único ser que aproveita cada gota do líquido precioso que somos cada um de nós.

2 Respostas: Gurupi tem mais um vocacionado ao caminho sacerdotal

Responder